Juliano Baumgarten

Ideologia de Gênero

Pensei muito essa semana em qual assunto iria escrever, geralmente escrevo algo que chama a atenção das discussões do momento, por que acho importante fazer uma analise de um ponto de vista sociológico. Outra preocupação é esclarecer mitos e fato fazer o leitor refletir sobre o meu ponto de vista. O assunto da vez busca esclarecer o mal entendido sobre a suposta Ideologia de gênero.

Quando se elabora um plano de educação seja ele em qualquer das esferas ,ou seja, municipal ,estadual ou federal ele é escrito por técnicos de educação ,logo veremos que os grandes autores são os professores. O que se busca nesse plano é elevar as metas e buscar estratégias para alcança-las. Outra luta é a de inclusão seja ela de qualquer gênero, afinal a escola é um  local que deve propiciar a inclusão e o local ideal para discussões. Quando se escreve qualquer plano que seja para o coletivo se busca ter neutralidade, afinal no momento em que os docentes escreverem um plano que caracterize uma ideologia, ou uma doutrina, estes profissionais estarão sendo antiéticos.

Se hoje perguntássemos as pessoas nas ruas o que ideologia de gênero, logo iriamos nos apavorar, com tamanhas desinformações. Infelizmente tem se espalhado boatos de que  a partir da aprovação dos planos municipais com a dita cuja ideologia de gênero ( coisas que não existe) ira se ter um único banheiro na escola, meninos e meninas ocupariam o mesmo banheiro. Mentira! Em momento alguma coisa vai se modificar . Outra coisa absurda que muita gente tem falado é que a escola vai ajudar a pessoa a escolher sua orientação sexual , em letra miúdas partindo do pressuposto das fala populares o filho ira para escola e de lá saíram gays ,lésbicas e assim por diante. Olha o tamanho da bobagem que as pessoas propagam.

Todos sabemos que quando crianças meninos e meninas nascem com seus respectivos órgãos sexuais diferentes ,porem a orientação heterossexual ou homossexual, não será os pais ,muito menos a  escola que iram decidir ,é uma escolha totalmente pessoal que o individuo fará.

A escola busca a igualdade de gêneros e a inclusão de todos os segmentos da sociedades ,sejam eles GLBTs , negros, indígenas, portadores de necessidades especiais e assim por diante . Um fator que a escola busca ter em seu currículo são os estudos de gênero  ,que são propostas teóricas e reflexões para combater a violência contra as mulheres, crianças , glbts ,defendendo o respeito as diversidades. A escola é feita por um plural e por uma diversidade de pessoas ,independente de sua cor,credo, orientação sexual.

O pior que a Ideologia de Gênero vem sendo propagada por  fundamentalistas religiosos que vivem naquele “mundo fechado” e não conseguem aceitar a diversidade. Outro fator é o medo da destruição da família, como já venho falando a instituição família vem sofrendo rupturas e nunca vai acabar ,ela vai se modificar em alguns pontos. Basta perceber e aceitar a diversidade que hoje faz parte do nosso cotidiano.

Para fechar ,antes de sairmos aos “quatros ventos” propagando teorias mirabolantes ,é importante pesquisar ,estudar e se informar,afinal um boato pode mexer com determinado grupo da sociedade e o fato se tornar distorcido. Aqueles intolerantes ,que não aceitam as diversidade ,sinto muito ,esta na hora de parar de bobagem e respeitar ,afinal as diferenças existem e elas precisam ser respeitadas.

A greve se faz necessária

                Fazer greve não é um hobby para os professores, não é algo que se goste de fazer, mas há momentos em que ela se faz necessária. Como é o caso do atual momento. Todos sabem que a situação econômica do estado não é a das melhores, porem cabe ressaltar que a dívida se arrasta de anos e não serão os professores que terão que pagar a conta.

                A questão do parcelamento foi o estopim da paralisação, afinal ninguém que trabalha merece ter seu salário parcelado, cabe também dizer que o ato é Inconstitucional, ou seja, isso não pode acontecer, mas aconteceu. Por que justo o salário dos servidores que menos recebem do estado sofreram este caso? Por que os Deputados não tiveram seus salários parcelados.

                De acordo com as falas do secretário da Fazenda a tendência é que a situação piore ,já que temos o bloqueio com a União ,visto que a dívida esta atrasada. Qual será o resultado? Um novo parcelamento? Mas é importante questionar por que os outros governadores não parcelaram?

                No meu ponto de vista a paralisação de três dias se dá a uma série de fatores que nós professores enfrentamos no nosso cotidiano. Vivemos um período complicado onde que a sociedade passa por transformações e a escola é órgão divisor com que se estabeleça certa organização. Juntamente com esse contexto vivemos vários problemas, um deles é a violência que cada dia a mais afeta a nossa classe.

                As escolas estão com as suas estruturas físicas cada vez mais precárias, algumas com goteiras, problemas de iluminação, locais interditados e quando há solicitação de algum reparo, realmente o mesmo demora a ocorrer. Hoje se busca a inclusão de portadores de deficiência física ,porem nem todas a escolas estão adaptadas para receber, outro ponto para debate.

                Existem coisas que acontecem referentes à educação que a população não consegue enxergar. Como é o caso de alunos que ainda hoje tem caminhar vários quilômetros para chegar à escola, ou pega o transporte que passa por pontes em péssimas condições nas quais se tem a insegurança, será que vai cair? Ou até mesmo em rios e córregos que os ônibus passam como mostrou a própria imprensa.

Segue uma sugestão um documentário intitulado “Pro dia nascer feliz”  no qual ele apresenta as reais dificuldades enfrentadas  pelos professores e pelos alunos pela precariedade do sistema público. O documentário é ótimo para questionarmos a atual situação em que se encontra a educação pública.

                Fazer greve acima de tudo é ir de encontro na luta por direitos e melhorias, afinal se atarmos as mãos pouco será feito. Não adianta nos queixarmos diariamente sobre o que está acontecendo se nada somos capazes de fazer. Já está sendo tocado o terrorismo de o ponto será cortado. É amigo ,não existe vitória sem sacrifício. A greve se faz necessária.

O parcelamento de salários e as paralisações

O pior que se podia imaginar aconteceu no funcionalismo público do RS. Todos sabem que o estado vive uma crise econômica e cabe ressaltar que ela se arrasta de anos. Mas nenhum servidor público imaginou que fosse chegar ao ponto que chegou parcelar o salário foi uma das atitudes mais patéticas protagonizadas pela atual administração.

Os que levaram a pior na sua maioria foram os professores e a brigada militar, que vão receber seu salário em duas parcelas. Fato que indigna toda uma classe social, afinal duas classes de extrema importância em qualquer sociedade.

O que mais indigna é que quem “paga o pato” são os que menos recebem se fomos analisar as folha de pagamento de Secretários estaduais ou até mesmo dos nossos Deputados ou do próprio Governador e Vice, veremos que ela é várias vezes superior. A grande pergunta que paira no ar será que estes mesmo também terão seus salários parcelados???

As manifestações estão acontecendo e  para se ter noção as Escolas Estaduais que aderiram ao movimento contra o parcelamento, seguindo as orientação dos CPERS, o Sindicato do Professores seguiram com calendário de aulas com  períodos condessados até dia 18 de agosto. É importante refletirmos  o que a classe tem que fazer para ir cobrar um direito legal, ou seja ,receber seu salário completo sem parcelamentos. Infelizmente é lamentável. Imagine você trabalhar todo o mês cumprir com a sua obrigação e quando chegar a hora de desfrutar é anunciado que seu salário será parcelado.

Imagina o transtorno que está sendo para essas classes que tiveram seus salários parcelados, vamos tentar pensar na comunidade escolar ,nos alunos que estão tendo as suas aulas com períodos reduzidos.

A segurança há anos vem sendo um dilema, afinal a criminalidade tem aumentado, ela só não se alastrou, pois temos um órgão que encara todos os dias esse mundo do crime: a Brigada Militar. Uma profissão pouco valorizada como a dos professores. Podemos questionar se todo o batalhão optar por para o que vai acontecer nas cidades? Teremos um caos, preocupante  não  é caro Governador?

E pelo que os noticiários apontam as novas medidas resultam em novo parcelamento. Até quando isso durar? Será que o Estado não consegue nem pagar  funcionalismo. Caso haja novo parcelamento com certeza haverá uma greve maciça.

O que os servidores públicos querem do governo do Estado? Em primeiro lugar o respeito. Na sequencia receber o salário em dia e sem parcelamentos. Afinal se trabalhou, se tem o direito de receber. Ninguém vive de amor. Todos os meses temos compromissos e temos necessidades básicas que precisam se pagas como é o caso do abastecimento de água e a energia elétrica.

Para entender a Consciência Negra

O que dizer sobre o racismo? Algo patético que nós seres humanos praticamos. O que a cor da pele de uma pessoa pode fazer de diferença?É uma boa pergunta a qual tentarei responder. Se formos analisar a história do Brasil, veremos que os negros tiveram grande importância no desenvolvimento econômico e social do Brasil.

Se partirmos do começo da História do Brasil, veremos que após a exploração aos indígenas, explorados pelos portugueses por um bom tempo, uma enorme quantidade de negros veio da África, aprisionados como uma mera mercadoria. Vindos em navios superlotados, em condições desumanas para, no fim, nem saber o que viriam fazer neste local e as condições de vida que enfrentariam. Os trabalhos forçados, as agressões, uma alimentação fraca eram castigos sofridos por estes pobres cidadãos que foram arrancados de sua terra de origem e usados como mercadoria.

A escravidão deixou uma grande marca de sangue na nossa história, a qual não será apagada jamais, e nem deve! Ela durou aproximadamente 400 anos, e, aos poucos, foi decaindo, mas resistiu muito tempo e, se investigarmos a fundo, no interior do Brasil ainda uma grande quantia de trabalhadores é enganada com falsas propostas de trabalho e quando percebem estão presos a um regime de trabalho escravo. A escravidão começou a dar indícios de queda com a Lei Eusébio de Queiroz que proibia o tráfico negreiro.

Mas, logo em seguida, começam a surgir as primeiras contradições que nos fazem pensar a respeito da escravidão e do seu “final”; uma delas foi a Lei do Sexagenário, na qual, ao completar 60 anos, o escravo ganhava a alforria, conhecida como a liberdade. Mas vamos pensar um pouco. Você acha que os escravos duravam 60 anos? Um que outro conseguia, porém a grande maioria não chegava a esta idade, pelo simples fato da má alimentação, trabalho pesado, e os tantos castigos recebidos. A outra lei que ajudou ainda mais os senhores do que os escravo foi a Lei do Ventre Livre, onde os filhos dos escravos assim que nasciam eram livres para trilhar seu próprio caminho. Outra pergunta: como uma criança pequena e negra iria viver sozinha longe de sua mãe? Hipocrisia! O que acabava acontecendo às crianças: elas permaneciam com suas mães e acabavam trabalhando igual. E, por fim, a Lei Áurea assinada em 1888 que previa o fim da Escravidão, de fato não se consumou assim.

Como de costume, para algo acontecer no Brasil deve haver interesse por parte de outro país, no caso da abolição ocorreu devido ao interesse econômico da Inglaterra em negociar os seus produtos que estavam a “todo vapor”, no auge da Revolução Industrial. E como grande parte da população era escrava e não possuía nenhuma renda para poder comprar estes produtos, houve uma pressão por parte da Inglaterra para a libertação desses escravos.

E, quanto ao final da escravidão, foi bom para os escravos? Não! Pois se antes eles eram mercadoria, após o “término” da escravidão acabaram perdendo todo seu valor e foram, sem dúvida, jogados às traças pela sociedade; alguns foram fixar suas residências nos cortiços, posteriormente subindo os morros e dando origem as favelas.

Você já deve ter ouvido falar, com certeza, expressões de baixo calão fazendo ofensas aos negros, como frases dizendo que são “vagabundos, não gostam de trabalhar, pobres, esfarrapados, ladrões”, enfim, uma série de ofensas sem sentido. Se formos analisar, veremos que estes nomes surgem no final da escravidão, imagine você ser chutado na rua, sem ter aonde ir nem o que comer,a lógica é que alguns escravos se obrigaram a cometer delitos para sobreviver.

Mas, afinal, por que trabalhei tanto com contexto histórico não respondendo a questão e o porquê de se entender a Consciência Negra? Simples, porque é necessário saber que essa etnia veio como mercadoria e que foi um dos principais pilares do sistema colonial brasileiro, sofrendo maus tratos, passando fome e o pior de tudo sendo considerada inferior por causa do tom da cor de sua pele . Isso é muito recorrente no país e ainda nos preocupa na escola e na sociedade. Até quando a cor de pele vai valer mais do que o caráter de uma pessoa?

Afinal, qual é a importância de comemorar o dia 20 de novembro? Ela é simples, marca a morte de Zumbi dos Palmares um dos principais líderes negros que foi protagonista na luta de libertação de seus irmãos e por isso foi capturado e morto, teve sua cabeça decapitada e fincada em um poste exibido como um troféu. Mas, por que precisamos lembrar disso? Pelo simples fato de que Zumbi foi um dentre vários que morreram em prol da libertação dos escravos. É importante termos um dia que lembre o passado sombrio brasileiro e alertar a futura geração a não cometer o mesmo erro.Não podemos esquecer a importância dos negros para a formação do Brasil,seja ela econômica ou cultura,devemos muito a eles. Pois na minha humilde concepção, quando morrermos, todos nós independente da cor, credo, ou classe social, iremos para no mesmo lugar.

Já digo que não serei utópico a afirmar que o racismo irá acabar, o que pode acontecer com ele é diminuir. Cabe a nós fazermos a nossa parte. Não posso deixar de citar uma bela frase proferida pelo poeta e cantor Bob Marley: “Enquanto a cor da pele for mais importante que o brilho dos olhos, haverá guerra”. Antes de tomar qualquer atitude, pense, e fica a velha dica: nunca julgue ninguém pela aparência e sim pelo seu caráter. E, quanto à pergunta que fiz na primeira linha do texto?Bom, deixo para você, que vai ler esse texto, tire suas próprias conclusões.

*Artigo publicado no Folhetin refletindo a consciência negra.